Introdução à Metafísica

Toda questão essencial da filosofia acha-se necessariamente fora de seu tempo. Por duas razões principais. Ou porque a filosofia se projeta para muito além da atualidade. Ou então, porque faz remontar a atualidade a seu passado-presente originário. Como quer que seja, o filosofar é e permanecerá sempre um saber, que não só não se deixa moldar pela medida do tempo, mas ainda submete o tempo à sua própria medida.

            A filosofia se acha necessariamente fora de seu tempo, por pertencer àquelas poucas coisas, cujo destino consiste em nunca poder nem dever encontrar ressonância imediata na atualidade. Onde tal parece ocorrer, onde uma filosofia se transforma em moda, é porque ou não há verdadeira filosofia ou uma verdadeira filosofia foi desvirtuada e abusada segundo propósitos alheios, para satisfazer às necessidades do tempo.

            Por isso também a filosofia não é um saber, que, à maneira de conhecimentos técnicos e mecânicos se possa aprender diretamente ou, como uma doutrina econômica e formação profissional, se possa aplicar imediatamente e avaliar de acordo com sua utilidade.

            Todavia, o que é inútil, pode ser, e justamente o inútil, uma força. O que desconhece toda ressonância imediata na prática de todos os dias pode estar em profunda consonância com o que propriamente acontece na História de um povo. Pode até mesmo ser a sua presonância e prenúncio. O que se acha fora do tempo, terá seu próprio tempo. É o que vale da filosofia. E é essa a razão de não se poder estatuir de per si e em geral a missão da filosofia e, por conseguinte também, o que dela é de se esperar. Cada estágio e cada princípio de seu desenvolvimento traz consigo sua própria lei. Somente, o que a filosofia não pode ser nem prestar, pode-se dizer.

            A filosofia jamais poderá proporcionar imediatamente as forças nem tão pouco criar os modos de agir e as ocasiões, que conduzem a determinada situação Histórica, pela simples razão de concernir de modo imediato apenas a uma minoria. Que minoria? À minoria daqueles que criando transformam, à minoria dos revolucionários. A difusão da filosofia é sempre mediata e segue caminhos incontroláveis, para em algum tempo afinal, mas já de há muito esquecida como filosofia, decair de seu nível originário e transformar-se numa banalidade da existência.

– M. Heidegger. Introdução à Metafísica, Trad. Br. Petrópolis: Vozes, 1966, pg 45-48.

Tags: ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: